INTRODUÇÃO À LÓGICA



Emília Nadal, A Fronteira












Introdução

Eis o inicio de uma aventura onde aprenderemos Noções Básicas de lógica. Neste percurso poderás compreender melhor porque é que a lógica nos aparece como o estudo das condições de coerência do pensamento e do discurso. Aqui, o que nos interessa então é, como se diz na gíria desportiva, "dar o pontapé de saída" para que "o jogo' possa começar!

Previamente tens de entender a relação dialéctica entre linguagem, pensamento, comunicação e discurso. Depois, sim, estarás em condições de entender melhor a lógica, ciência da razão ou do pensamento ou ciência que estuda a dimensão racional do discurso.





Pensamento e Discurso

A filosofia usa o termo discurso, considerado como uma operação intelectual que se processa por uma sequência de operações elementares e sucessivas, que se encadeiam numa sequência ordenada de enunciados, em que cada um retira o seu valor dos antecedentes, procurando chegar a determinadas conclusões.

Há aqui, como veremos, uma relação estreita com a lógica, normalmente considerada a ciência reflexiva do discurso. Não será por acaso que o termo grego Logos foi indiscriminadamente traduzido quer por discurso, quer por razão, quer ainda por linguagem.

Quando os linguistas definem discurso, variam em função das correntes e dos pressupostos que aceitam. Deste modo existem inúmeras definições. Mas a perspectiva que aqui nos interessa considerar é a da filosofia. Ora, segundo a filosofia só há discurso quando temos um conjunto de enunciados articulados entre si de uma forma coerente e lógica. Esta dimensão lógico-linguística do discurso é por isso fundamental. Existem, no entanto, outras dimensões que temos de referir, uma vez que o discurso humano é pluridimensional.





A Verdade

Podemos dizer que a tarefa da lógica é o estudo das condições de pensamento válido, isto é, do pensamento que procura alcançar a verdade. Ela deve regular o perfeito discurso da razão e oferecer o caminho para o correcto exercício da linguagem e do pensamento na procura da verdade.

Enquanto as outras ciências, como a biologia, a física e a química, se preocupam com a validade material dos seus enunciados, a lógica apenas considera a validade formal.

Quando é que podemos dizer que um enunciado, um juizo, um pensamento, tem validade formal e validade material?

Tem validade formal - quando os elementos que o constituem (conceitos no juízo, juizos no raciocínio) formam um todo coerente, sem contradição interna.

Tem validade material - quando o seu conteúdo ou matéria está conforme à realidade.





Dimensão Sintáctica, Semântica e Pragmática do Discurso

A Sintáctica, a Semântica e a Pragmática são três dimensões indissociáveis. Estas três dimensões do discurso não podem, como já afirmámos, ser isoladas.

Vamos procurar apresentar algumas razões justificativas desta indissociabilidade:

  • A Sintaxe preocupa-se, essencialmente, com o que se poderia chamar a forma gramatical da linguagem.

  • A Semantica coloca, essencialmente, o problema do significado das palavras e frases que constituem os nossos enunciados discursivos e obviamente remete para a relação que a linguagem estabelece entre o mundo, os objectos, colocando assim o problema da referência.

  • A Pragmática preocupa-se com o uso que fazemos da linguagem num dado contexto.

  • Será possível tratar a sintaxe sem introduzir questões semânticas e tratar as questões semânticas independentemente das questões pragmáticas? A resposta é negativa.

    Então, se é verdade que o sentido de um enunciado depende do significado (dimensão semântica) dos elementos que o constituem e que as palavras só têm significação exacta se forem respeitadas as regras gramaticais (dimensão sintáctica), não podemos esquecer, contudo, que em muitos casos só conhecendo o contexto, os usos linguísticos dos falantes e as regras sociais (dimensão pragmática) é que conseguiremos interpretar correctamente o significado das frases e consequenternente dos signos (palavras) que as compõem.

    Os três domínios são por isso interdependentes.




    A Lógica

    De acordo com a sua etimologia, a lógica é a ciência do Logos. Mas se considerarmos que Logos significa razão, palavra, proposição, oração, pensamento, discurso, linguagem... a noção pode tornar-se equívoca.

    Enquanto ciência do Logos a lógica pode, etimologicamente, ser definida como ciência da razão ou do pensamento ou como ciência do discurso racional, ou a ciência que estuda a dimensão racional do discurso.

    Mesmo sem darmos conta, o nosso pensamento, na sua actividade de conhecimento, não trabalha ao acaso ou segundo a sua fantasia. Ele funciona de determinada maneira, de acordo com certas regras e certos princípios, na tentativa de atingir um conhecimento verdadeiro.

    Esta disciplina filosófica foi criada por Aristóteles mas aplica-se hoje em todas as ciências, inclusive, como não podia deixar de ser, nas Tecnologias de Informação, em particular ao nível da Inteligência Artificial. A nossa aventura é, no entanto, limitada, e por isso iremos tentar compreender apenas a lógica clássica de raiz aristotélica.

    Mas nem sempre há lógica...também há raciocínios errados com aparência de verdadeiros. São raciocínios mal conduzidos ou falácias.

    Voltar